Estilo de VidaOrganização

Organização Profissional é modinha?

Conheça toda história por trás do nome PERSONAL ORGANIZER

Quem me acompanha nas redes sociais sabe que estive recentemente na 5ª Conferência Personal Organizer Brasil, o maior evento de organização da América Latina. Essa é a 3ª vez que participo e sempre volto cheia de energia e motivação de lá.

Mas antes que você pergunte… o que é um PERSONAL ORGANIZER? Vou trazer um histórico de como surgiu esse profissional na década de 80 nos Estados Unidos e aqui no Brasil. Acho importante conhecermos a história para não acharmos que organização é “modinha” passageira.

ONDE TUDO COMEÇOU: EUA

1983

Tudo começou com Karen Shortridge, uma empreendedora que no início dos anos 80 começou a organizar espaços residenciais para amigos e familiares, tendo seu trabalho aparecido em um jornal local de Los Angeles em 1983.

A história terminou com um anúncio de uma reunião para “mulheres que gostam de se organizar”, ocorrendo aos finais de semana.

Inicialmente o propósito desse encontro de “mulheres que gostam de se organizar” era para falar sobre filhos e netos, receitas, maridos e lares. Mas duas das mulheres presentes: Maxine Ordesky e Stephanie Culp tinham outras ideias, não tendo interesse em discutir sobre fraldas molhadas. Em vez disso, elas imaginaram um grupo dedicado à construção de negócios.

Na época, ambas as mulheres eram empreendedoras autônomas. Maxine começou seu negócio, “The Creative Organizer” no início dos anos 1970. Stephanie Culp começou a se organizar antes de 1983. Sua primeira empresa, “The Grinning Idiot”, uma empresa de tarefas para todos os fins com o slogan “nada é muito idiota ou mundano”, a colocou em contato com seu primeiro cliente organizador.

Pedindo uma mudança no formato da reunião para uma veia mais empreendedora, a sala foi rapidamente dividida. Aqueles que queriam manter temas domésticos do dia a dia ficaram em uma sala. Maxine, Stephanie e Ann Gambrell (enfermeira aposentada) ficaram em outra sala e ensinavam aulas sobre a organização de casas e escritórios para um programa de educação de adultos, e escreveram uma coluna de organização para o jornal Daily Breeze em Torrance, Califórnia.

Poucas semanas depois, Ann, Maxine e Stephanie se juntaram a Beverly Clower e Jeanne Schorr para uma reunião na sala de estar de Beverly. À medida que o grupo se uniu estruturalmente e organizacionalmente, e quando as mulheres começaram a comercializar seus serviços para o trabalho remunerado, ficou claro que “para o mundo exterior, os organizadores eram empregadas ou empregadas domésticas glorificadas”. Mesmo hoje em 2018 muitas pessoas acham isso.

Stephanie Culp fez um argumento convincente para acrescentar a palavra “Profissional” para o trabalho das mulheres como organizadoras. Essa descrição que parecia estranha à primeira vista acabou superando a percepção da “governanta” e abriu a porta inicial para realmente atrair clientes.

1984

As mulheres concordaram com a nova terminologia, e a “Associação de Organizadores Profissionais” [APO] foi formada.

A APO entrou com pedido para ser uma associação sem fins lucrativos com a intenção de “mulheres ajudando mulheres”. Elas estabeleceram políticas para os núcleos regionais e, em seguida, gerenciaram pessoalmente o lançamento dos primeiros quatro núcleos em Los Angeles, San Diego, São Francisco e Nova York.

Hoje existem dezenas desses núcleos espalhados pelos Estados Unidos.

A NAPO

1986

Com a fundação do núcleo de Nova York em 1986, as cinco mulheres (Ann Gambrell, Maxine Ordesky, Stephanie Culp, Beverly Clower e Jeanne Schorr) criaram a Associação Nacional de Organizadores Profissionais (NAPO).

Naquele ano, de agosto a setembro, essas pioneiras formalizaram a Associação elegendo oficiais, formulando contribuições e realizando eleições. À medida que as reuniões se tornavam mensais, o grupo expandia-se das salas de estar para as salas de conferência e começava um movimento.

Maxine Ordesky, presidente fundadora, presidiu a APO, depois a NAPO, durante os primeiros cinco anos. Ela lembra: “Nós nos encontramos em uma pequena sala de conferências, localizado fora de um corredor em um shopping local em West, Los Angeles. Nesse primeiro encontro, levantei-me na frente de 10 mulheres, não percebendo, em meus sonhos mais loucos, que a profissão de organização cresceria para milhares de membros em todo o mundo”.

1987

A primeira conferência da NAPO foi realizada em 1987 em uma das salas de reunião em Los Angeles, no Universal Sheraton Hotel. “Uma ideia aparentemente impossível”, como Stephanie Culp nos lembra.

Ann Gambrell recordou: “Não tínhamos uma lista de discussão, mas precisávamos ocupar os assentos. Nós não queríamos ficar envergonhados com um baixo comparecimento, então convidamos nossos amigos e maridos para ajudar a encher a sala”.

Beverly Clower descreveu aqueles primeiros anos como importantes para seu próprio desenvolvimento profissional: “Todas essas mulheres haviam encontrado seu nicho especial, e todos nós éramos irmãs juntas nisso. As mulheres precisam ser ouvidas e aqui estávamos: nossos clientes e nossos colegas nos ouviam porque tínhamos algo valioso a dizer”.

Veja o vídeo dos 30 anos da NAPO.

Tudo isso aconteceu porque cinco mulheres tiveram a coragem e determinação de ter uma ideia em que acreditavam totalmente.

A fundadora Stephanie Culp também é autora de oito livros de organização, produzindo conteúdo relevante em uma época em que apenas dois outros livros estavam disponíveis: Getting Organized de Stephanie Winston e Last Stand de Clotter de Don Aslett.  The Complete Home Organizer, de Maxine Ordesky, foi publicado em 1993.

Hoje o mercado americano relacionado à indústria da organização está bastante desenvolvido.

A NAPO – National Association of Professional Organizers é uma instituição que reúne mais de 4000 profissionais e empresas que trabalham e vivem da organização, prestando serviços, escrevendo livros, fabricando ou vendendo produtos.

Emocionante essa história né? Elas foram as precursoras desse movimento de trazer mais organização e qualidade de vida para todos. E depois de todo esse esforço, hoje a atividade de Personal Organizer está presente em várias regiões do mundo.

A ORGANIZAÇÃO PROFISSIONAL CHEGANDO NO BRASIL

2002

No Brasil, essa atividade começou a se desenvolver aproximadamente há 16 anos, lá para os meados de 2002 (apesar de conhecer pessoas que começaram a trabalhar antes disso).

Não se tem registro da primeira pessoa que começou a trabalhar com organização no Brasil. Mas sabe-se que muitas começaram primeiro ajudando amigos e familiares e viram que esse dom poderia se tornar um negócio.

Assim como eu, as pessoas que se tornaram Personal Organizer fizeram por vocação, paixão e por verem nessa atividade uma nova forma de encarar a sua relação com a vida e trabalho, levando qualidade de vida para as pessoas e para si próprio.

Então você vai encontrar Personal Organizer bióloga, arquiteta, psicóloga, administradora, geógrafa, economista, etc. Todas possuem um olhar diferenciado e impactante para o trabalho com Organização.

Eu por ser bióloga uni a sustentabilidade com o trabalho de Organização e criei um nova dimensão da sustentabilidade, a “Sustentabilidade Doméstica”, como trato no meu livro “Manual da Casa Sustentável: dicas para deixar sua casa amiga do meio ambiente”.

Clique aqui e saiba mais sobre meu Livro Manual da Casa Sustentável

A ANPOP

Do mesmo jeito que nos EUA, a associação de profissionais de organização, aqui chamada de ANPOP (Associação Nacional de Profissionais de Organização e Produtividade) também surgiu com muita luta e dedicação.

E uma das maiores lutas é que a nossa profissão, que é reconhecida em outros países, seja reconhecida formalmente pelos órgãos governamentais também aqui no Brasil.

2013

A Anpop surgiu após o Encontro de Personal Organizer – EPO, que ocorreu nos dias 08 de Junho de 2013, 24 de Agosto de 2013 e 23 de Novembro de 2013 em São Paulo.

A ideia da Associação surgiu em 2006, mas somente em 2013 todas as profissionais envolvidas tiveram subsídios para iniciar a ação.

O objetivo desses encontros era promover a troca de experiências entre os profissionais, saber mais sobre o mercado.

2014

Em 2014, no dia 08 de novembro aconteceu o Primeiro Evento da ANPOP e teve como palestra “Compreendendo a Desorganização”, onde foi retratado os níveis de desorganização psicológica que podem existir por trás dos clientes com problemas de organização.

Ana Afonso Organizer

Hoje a Anpop conta com um pouco mais de 300 associados, o que é pouco ainda se pensarmos no número de pessoas que exercem essa atividade no Brasil e na quantidade de pessoas presentes nos últimos eventos. Nas últimas Conferências Internacionais de Personal Organizer que fui (2017 e 2018) ,o público chegou a 1.000 pessoas.

Eu com a Flavia Ferrari no stand da Anpop na Conferência de 2018.

A partir do momento que um profissional se associa na Anpop, todo seu histórico é verificado, como cursos realizados e áreas que atua, além de terem os dados pessoais do profissional. Isso é importante porque infelizmente existem muitas pessoas atuando no mercado de organização profissional sem ter nenhuma formação, utilizando o trabalho como “bico”.

Nada contra ser uma segunda opção de trabalho, mas o que não pode é um profissional sem experiência e formação fazer um trabalho sem uma metodologia e métrica e difamar a imagem do profissional que estudou e está construindo sua imagem profissional.

E por isso sempre bato na tecla:

PERSONAL ORGANIZER CERTIFICADO… ORGANIZAÇÃO CERTIFICADA.

Como disse, a Organização Profissional é nova no Brasil, e qualquer impacto negativo na construção dessa imagem traz inúmero malefícios para a atividade.

Veja esse vídeo que a Anpop fez em homenagem ao dia do Profissional de Organização que é dia 03 de Outubro, ou seja, ESSA SEMANA!

MAS AFINAL, O QUE FAZ UM PERSONAL ORGANIZER?

O Personal Organizer (ou Profissional de Organização) é um profissional especializado em trazer mais praticidade para o dia a dia das pessoas em sua casa ou empresa, organizando ambientes, espaços e rotinas, deixando tudo mais funcional de acordo com as necessidades de cada um e trazendo mais tempo e qualidade de vida para as pessoas.

Os Personais Organizer atuam em diversas áreas:

  • Organização dos ambientes da casa ou da empresa;
  • Mudanças residenciais;
  • Organização de ambientes para pessoas com necessidades especiais;
  • Treinamento de funcionárias domésticas;
  • Organização para recém-casados;
  • Preparo de malas de viagem com otimização de espaço;
  • Organização pós-luto;
  • Organização do enxoval do bebê;
  • Organização da rotina (limpeza, estudos, agenda, etc);
  • Organização… você precisa organizar o que na sua vida?

Já que você chegou até aqui, veja o post Descubra o segredo japonês para uma vida organizada e conheça uma das metodologias queridinhas dos Profissionais de Organização – a metodologia japonesa 5S.


Espero que trazendo um pouco da história de onde surgiu o Personal Organizer você consiga entender a importância desse profissional nos dias de hoje.

Essa atividade cresce muito no nosso país porque as pessoas cada vez mais estão sem tempo e acabam deixando acumular seus pertences por onde andam. Isso causa um stress mental (não saber achar suas coisas), um stress financeiro (comprar coisas repetidas e sem necessidade) e um stress ambiental (consumismo e poluição ambiental por produtos tóxicos e geração de mais lixo).

E o nosso trabalho não é apenas organizar, mas também promover uma reflexão sobre os comportamentos de vida da pessoa, para que ela no dia a dia possa manter a organização através da incorporação de novos hábitos saudáveis que tragam mais qualidade de vida e equilíbrio.

Compartilhe esse post com seus amigos e amigos que trabalham com Organização Profissional.

Até a próxima!

Texto sobre a história do Profissional de Organização baseado nas pesquisas em inglês do site Wikipedia e no site na Anpop.

Tags

Artigos relacionados

Close
Close

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios